Colmeia dos Livros

Entrevista exclusiva com o autor Hugh Howey, da série SILO

segunda-feira, julho 07, 2014 Conrado Dittrich 0 Comentários


É um imenso prazer poder anunciar esta incrível entrevista com o autor da série SILO, Hugh Howey, feita por mim. Ele me atendeu com muita simpatia e atenção, o que para um fã é algo espetacular. Decidi perguntar sobre sua rotina de escrita, suas influências, a vinda ao Brasil e muito mais! Confira:
[originalmente publicada na fanpage Silo Brasil]

Qual foi a sua principal inspiração para começar a escrever?

Começou com o meu amor pela leitura. Eu sempre estive lendo quando era criança. Eu vivi em mundos dos quais meus autores favoritos criaram. À partir daí, percebi que seria natural criar minhas prórias histórias. Eu passei vinte anos tentando terminar um romance, mas eu só havia colocado alguns capítulos nele. Então, eu encontrei coragem de realmente colocar meu coração em uma história, e eu não olhei mais pra trás.

Por que você escolheu um Silo? Ele possui uma representação social que não notamos ou é o lugar mais óbvio para se viver debaixo da terra?

É o lugar mais óbvio de se construir um abrigo subterrâneo, que pode abrigar pessoas por gerações. A escolha dele pode ter sido influenciada por eu ter crescido junto aos silos de gãos atrás do celeiro do meu pai. Brincávamos dentro e fora desses silos quando eu era um garoto.

Suas experiências de vida te ajudaram a construir algum personagem de Silo? Existe algo autobiográfico no livro?

Eu acho que existe algo de mim em cada uma das minhas histórias. Muito da estrutura do silo foi baseada em uma metáfora de estratificação social, mas também foi inspirado por meus vários anos trabalhando como capitão de iate. A pior parte dos barcos estavam na parte inferior, enquanto que as mais agradáveis no topo. Eu, é claro, trabalhava na parte inferior.

Como é sua rotina para escrever. Você tem alguma rotina para escrever, alguma disciplina, um horário determinado ou escreve quando surge oportunidade?

Eu escrevo todas as manhãs. Apenas duas ou três horas por dia, sem interrupção, é o bastante para que eu possa escrever dois romances por ano. O truque é não ter nenhum dia de folga. Eu escrevo em um laptop, geralmente com o meu cachorro enrolado por perto.

Suas histórias se escrevem sozinhas, ou você pensa muito na história inteira antes de começar a escrever?

Um pouco de cada. Eu gosto de ter um esboço bem complexo, mas meus personagens geralmente pegam a história e caminham com ela. Escrever se torna mais fácil pra mim quando meus personagens estão no comando, mas a trama é mais satisfatória quando eu imaginei tudo antes de terminá-la. A mistura de ambros é legal.

Como a literatura entrou em sua vida?

Pela minha mãe. Ela era professora e ler era muito importante para ela. Ela me ensionou a ler e garantiu que sempre houvessem livros disponíveis. Mais tarde em minha vida, tive um excelente porfessor de inglês chamado Dr. Dennis Goldsberry. Ele realmente fez crescer o meu amor pela literatura.

Quem são os seus escritores preferidos?

Eu não sigo muitos autores. Eu leio em todo lugar. Mas eu posso dizer que Steven Pinker, Malcolm Gladwell e Judith Rich Harris são autores que eu realmente gostei. Eu leio, na maioria das vezes, não-ficção. E esses escritores não lançam obras com muita frequência.

Silo, na certa, tem tudo para se tornar um clássico, assim como 1984 e Fahrenheit 451. Existe algum clássico que você não abre mão de ler?

Eu li a Série da Fundação, de Isaac Asimov, diversas vezes. Eu possor voltar nele várias e várias vezes. Apenas uma obra-prima de trama e prosa clara.

Dentre vários contos online e muita dedicação, é impossível não perguntar sobre sua postura incansável. O que ainda te motiva a escrever?

Minha imaginação. Eu tenho vários personagens na minha cabeça e mundos que eu visito. Eu só quero trazê-los à vida. Eu nunca terei tempo de escrever todas as minhas histórias, eu temo.

As reflexões sociais estão muito presentes na sua obra. Foi fácil colocar estes detalhes em Silo, ou você estudou a sociedade como um todo para fazê-lo?

Eu leio os jornais todos os dias, o que ajudou tremendamente. Quando eu escrevi SILO, a Primavera Árabe e o Ocupe Wall Street (ambas séries de manifestações) estavam acontecendo. Esses eventos influenciaram no que eu escrevi. A pobre economia tamém me influenciou.

Juliette é a heroína de Silo. Como você vê a personagem? Acha que mulheres devem tomar o posto dos homens como protagonistas de grandes sci-fi?
Eu adoraria ver uma igualdade na participação de protagonistas femininas. Isso faz sentido. O que eu gostei ao escrever a história de Juliette, é que ela aborda os problemas de maneira diferente da que um homem faria. Há uma inteligência e uma paciência que eu não acho que me ficaria bem com a maioria dos personagens masculinos.

Você tem algum conceito próprio de literatura fantástica e/ou ficção científica?

Eu acho que esses gêneros são absolutamente os melhores para satisfazer nossas imaginações. Com a fantasia, nós podemos escrever sobre um mundo no qual nunca estivemos. Com a ficção científica, nós podemos escrever sobre um mundo que pode existir. Ambos são muitos satisfatórios.

Preciso dizer que Half Way Home, I, Zombie e Sand parecem incríveis. Você pretende se aventurar em outros gêneros literários, ou prefere ficar na ficção-científica, suspense e fantasia?
Eu tenho escrito algumas outras obras literárias também. Eu gosto de escrever um pouco de tudo. Eu também leio todos os gêneros.

O Sunday Times disse que "Silo é o próximo Jogos Vorazes". É possível comparar sua obra com a de Suzanne Collins, além de serem Distopias? Você gostou desta análise?

Eu achei que foi uma análise incrível. É um prazer ser comparado com uma série tão grandiosa. Eu não acho que SILO merece essa comparação. Deixo isso para os leitores.

Como o enorme crescimentos dos ebooks no mercado, você acha que os livros impressos serão extintos daqui há alguns anos? Você ficaria triste se isso acontecesse?

Livros impressos nunca serão extintos. Eles podem ficar em segundo plano em termos de vendagens, mas a forma do livro é muito prático e atraente para sumir completamente. Minha previsão é que veremos algo próximo a uma fração de 50/50 entre ebooks e livros impressos dentro de dez anos ou mais. Espero que os leitores tenham uma escolha.

Silo teve os direitos de adaptação comprados pela Fox. Como foi a sensação? Você tem planos de  ajudar na produção dos filmes?

É uma grande emoção ter alguém interessado no seu trabalho. Não estarei involvido com a produção, pois eu penso que os produtores já tem bons profissionais à bordo. Gosto  de deixar os meus romances para que outros brinquem com ele n a forma de arte que saibam melhor.

Existe algo que você não gostaria que mudassem no filme?

Juliette. O filme precisa capturar a sua essência, ou ele não será uma verdadeira história de SILO.

Tem algum ator/atriz que você gostaria de ver no papel de algum personagem seu?

Preferiria que fosse uma atriz desconhecida, para que ela possa realmente habitar a personagem. Seria incrível se uma atriz estreasse com este papel, então Juliette seria sempre associada à ela de algum modo, como aconteceu com Sigourney Weaver e sua personagem Ripley em Alien - O 8º Passageiro.

Soubemos esta semana que você vem ao Brasil para participar da Bienal. Como se sente sobre isso e o que espera encontrar no Brasil? Está ansioso?
Estou entusiasmado! Eu sempre quis visitar o Brasil. Sou um grande fã de MMA e futebol, então o Brasil é o país de dois dos meus esportes favoritos. Quando era um garoto, eu tinha uma lancheira do Pelé. Eu joguei futebol na escola e costumava sempre assistir as vídeos do Pelé. Eu fiquei de coração partido ao ver os Estados Unidos perderem para a Bélgica, mas com o meu país natal fora desta Copa do Mundo [2014], vou torcer para o time da casa. Eu adoraria ver o Brasil sendo campeão novamente.

Tem alguma mensagem para os seus fãs brasileiros?

Muito obrigado pelo seu apoio neste livro. Sem seu entusiasmo, eu nunca seria convidado a visitar o seu lindo país. De um jeito real, suas ações me trouxeram ao Brasil. Estou muito agradecido e ansioso.

O melhor para todos. Hugh.


Então é isso. Espero que tenham gostado do que leram e fiquem ligados aqui no blog, pois trarei muito mais entrevistas exclusivas! Até a próxima!

POSTS RELACIONADOS

0 comentários